Início » Problemas nas mãos dos músicos

Problemas nas mãos dos músicos

Os membros superiores, principalmente as mãos dos músicos, estão sujeitos a alguns problemas. Acompanhamento e tratamento adequados são fundamentais, pois as lesões podem atrapalhar muito a performance e prejudicar, ou mesmo inviabilizar, a carreira dos profissionais.

Há uma analogia muito interessante entre músicos e atletas. Ambos necessitam de treinamento intenso, o que os predispõem a lesões específicas de acordo com cada atividade.

Os músicos, na verdade, costumam praticar muito mais horas, em média, do que os atletas. Com frequência, não fazem pausas no final de semana ou feriado e muitas vezes continuam tocando de forma muito intensa até na velhice.

Quais músicos são mais afetados por problemas nas mãos?

Os músicos que tocam instrumentos de corda e os pianistas costumam ser os que apresentam mais problemas nas mãos. Mulheres são mais atingidas que homens e o pico de incidência geralmente está entre 30-40 anos de idade.

Quais são os problemas mais comuns das mãos dos músicos?

  • Overuse (uso excessivo/ esforço repetitivo)

Este é o problema mais comum e é causado pelo uso intenso das mãos, com repetições constantes por longos períodos.

Outros fatores de risco para o desenvolvimento dessas lesões são: má postura, cansaço/fadiga – que geram posições compensatórias e prejudiciais. Angulação excessiva dos dedos, desproporção física do músico e do instrumento e aumento do número de horas tocando.

As principais queixas costumam ser fraqueza, perda de destreza, rigidez e sensação de formigamento.

Tenossinovites, como dedo em gatilho, também podem ser observadas.

  • Neuropatias compressivas

As síndromes compressivas mais comuns nos músicos, são também as mais comuns na população geral: síndrome do túnel do carpo (compressão do nervo mediano no punho) e síndrome do túnel cubital (compressão do nervo ulnar no cotovelo).

Síndrome do túnel cubital é mais frequente em músicos que tocam instrumentos de corda. Pode ocorrer, por exemplo, no membro superior esquerdo do violinista que permanece com o cotovelo muito fletido.

Problemas nas mãos dos músicos | Dra. Renata Paulos
Instrumentos de corda exigem maior flexão do cotovelo, predispondo à compressão do nervo ulnar (síndrome do túnel cubital). (Imagem – TUCCA – Música pela cura. * Espetáculos com toda a renda destinada ao tratamento de crianças com câncer, saiba mais em https://www.tucca.org.br/musica-pela-cura/)

Inicialmente, as síndromes compressivas,  causam sensação de formigamento e alterações mais leves da sensibilidade e, em casos avançados e não tratados,  podem chegar a causar perda sensitiva importante e atrofia da musculatura, com prejuízo de certos movimentos.

Compressões de nervos digitais podem levar a formação de neuromas, em especial no polegar e indicador de músicos de instrumentos de sopro e corda.

  • Distonia focal

É uma alteração que não causa dor, mas atrapalha o controle motor. Causa espasmos/contração involuntária de certos músculos, prejudicando o desempenho do músico. Os sintomas ocorrem praticamente só quando o paciente está tocando.

Sua incidência é estimada em um a cada 200 músicos e os que tocam instrumentos de teclas são os mais afetados.

É mais comum em homens, o diagnóstico é clínico e observar o paciente tocando  é importante para elucidar o quadro.

  • Osteoartrite

Considerando que os músicos costumam começar a tocar quando são jovens/ crianças e muitos continuam tocando de forma intensa até depois dos 80 anos, fica claro imaginar a alta prevalência dos sintomas relacionados à osteoartrite.

Dor é a queixa mais comum e restrição de movimento também costuma ser apontada.

  • Hipermobilidade articular

Há uma estimativa de que a hipermobilidade articular esteja presente entre 5 a 25% dos músicos.

O tratamento preconizado é o conservador (não cirúrgico) , com fortalecimento muscular – visando maior estabilidade e menor sobrecarga da articulação. Em algumas situações, o uso de órteses pode ser benéfico.

Síndrome do desfiladeiro torácico é uma compressão (vascular ou nervosa) que ocorre entre o pescoço e a axila. Pode acometer ao redor de 10% dos músicos, em especial flautistas, e isto ocorre, provavelmente, pela postura adotada para tocar.

O tratamento não cirúrgico é o inicialmente preconizado.

Importante: Todo tratamento ideal deve ser individualizado e definido após uma avaliação médica criteriosa. O Núcleo de Ortopedia Especializada possui especialistas renomados em todas as áreas da Ortopedia moderna. Consulte um ortopedista especialista em mãos.


Referências:
Sheibani-Rad S, Wolfe S, Jupiter J. Hand disorders in musicians: the orthopaedic surgeon’s role. Bone Joint J 2013 Feb;95-B(2):146-50.
IGNATIADIS IA et al. Disorders of the musicians hand. EEXOT Volume 59, (3):176-179, 2008
Mennen U. Musculoskeletal conditions affecting the musician. IFFSH ezine – ISSUE 1 february 2012


FAQ

1. Sou clarinetista e estou com dor do lado de fora do cotovelo para tocar. O que poderia ser?

Pode ser epicondilite lateral. Importante destacar que avaliação especializada é necessária para o diagnóstico correto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress
Rolar para cima